imposto sobre importação
Por: Tiago Reis

Imposto sobre importação (II): entenda como funciona esse tributo

Ao comprar um produto que não é produzido no Brasil, é preciso preparar o bolso para pagar o Imposto sobre Importação.

Apesar de muitas pessoas ainda conseguirem evitar esta taxação, a fiscalização está cada vez maior. Afinal, o Imposto sobre Importação gera uma expressiva arrecadação para o governo.

O que é o Imposto sobre Importação?

O Imposto sobre Importação (II) é a taxa que, como o nome sugere, incide sobre a importação de produtos estrangeiros. Porém, ela não afeta apenas empresas que atuam neste segmento, mas também os consumidores diretos.

Isso porque a Receita Federal prevê a incidência deste imposto sobre a bagagem dos brasileiros que fazem viagens ao exterior.

O que significa que até o que é adquirido em um duty-free shop de aeroporto pode ser taxado.

Imposto sobre importação para empresas

As empresas que trabalham com importação já sabem: imposto custa caro e deve ser considerado ao calcular o preço final de revenda do produto.

Este, inclusive, é um dos motivos pelos quais algumas marcas chegam a ter preços exorbitantes no Brasil. Ainda que sejam baratas em seus países de origem.

A base de cálculo para o imposto de importação varia de acordo com o produto.

O percentual do imposto sobre cada um deles consta na Tarifa Externa Comum (TEC).

A busca pode ser feita por meio da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) do produto ou pelo seu nome.

Os cachimbos, por exemplo, são representados pelo NCM 9614.00.00 e a alíquota do imposto é de 18% sobre o valor do produto.

No caso de bonecos simples, de NCM 9503.00.22, o imposto passa para 35% do valor do produto. Com isso, brinquedos importados são bem mais caros do que os produzidos no Brasil.

Há alguns produtos que são considerados exceções à tabela do TEC, com alíquota própria. É o caso de diversas substâncias químicas e equipamentos comumente utilizados na área da saúde.

E-book Investindo no Exterior

Imposto sobre importação para turistas

Para as pessoas físicas que fazem viagens ao exterior, o cálculo da tributação sobre importação é diferente.

Isso porque os viajantes podem aproveitar as cotas de isenção do imposto sobre as suas compras.

Esta cota é de 500 dólares para quem entrar no país de avião ou navio; e 300 dólares para quem utilizar vias terrestres, ou por meio de rios e lagos.

Em compensação, se os bens ultrapassarem esta cota, a alíquota cobrada será de 50% sobre o valor dos produtos.

Entretanto, há algumas condições para usufruir deste benefício, como:

  • O produto ser utilizado pelo próprio contribuinte;
  • Deve ser um produto usado; e
  • Tanto o bem quanto a sua quantidade precisam ser coerentes com o tipo de viagem.

Planilha Vida Financeira

Ou seja, quem trouxer produtos novos e em grandes quantidades será taxado como um revendedor dos produtos importados.

É importante compreender este conceito para não cair nas garras da Receita e ter gastos muito superiores aos previstos inicialmente.

Tudo por causa da taxa de importação.

Para ajudar neste cálculo, a Suno Research oferece uma planilha de finanças pessoais para auxiliar quem precisa melhorar neste aspecto.

Desta forma, é possível viajar e planejar os melhores gastos com compras, para evitar o Imposto sobre Importação.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

2 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • joao 17 de outubro de 2019

    Obrigado pelo artigo, no caso se eu querer vender um produto que eu trouxe, como faço para pagar o imposto de importacao corretamente? uma vez que passei pela alfandega e entendi que nao precisava pagar o imposto? Obrigaod

    Responder
    • Denis Veloso 9 de novembro de 2019

      João, se você passar pela alfândega e tiver comprado um bem que supere o valor de US$ 500,00 (quinhentos dólares), o que exceder esse valor, você paga o imposto.
      Por exemplo, se você comprar um Notebook por US$ 750,00 você pagará 50% sobre US$ 250,00. Se o dólar estiver, por exemplo, R$ 4,00 – você pagará US$ 250,00 x 4,00 = R$ 1.000,00 e, 50% desse valor será R$ 500,00 de imposto de importação. Guarde os comprovantes de pagamento do imposto de importação.

      Uma vez que você chegou na alfândega, pagou o imposto de importação e saiu de lá, você pode vender o bem livremente. Te recomendo fazer um contrato simples de venda do bem, onde conste que você entregou a Nota Fiscal e o comprovante de pagamento do Imposto de Importação para o comprador, e mantenha uma cópia autenticada destes documentos com você, para eventual necessidade futura.

      Espero ter ajudado!

      Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

207 artigos
Ações

FIIs

53 artigos
FIIs

Minicurso Gratuito

Contabilidade Para investidores

Os principais conceitos sobre contabilidade que todo investidor precisa saber!

%d blogueiros gostam disto: