Acesso Rápido

    Hedge cambial: conheça 4 formas para se proteger da variação do câmbio

    Hedge cambial: conheça 4 formas para se proteger da variação do câmbio

    Para muitas empresas e investidores, a realização de um hedge cambial é a principal alternativa para garantir uma margem de segurança financeira.

    Principalmente quando se tratam de exportadores, importadores e investidores com ativos no exterior, fazer o hedge cambial acaba sendo fundamental para proteger suas atividades. Porém, existem diversas formas de obter essa proteção contra as variações do câmbio.

    O que é o hedge cambial?

    hegde cambial é um conjunto de instrumentos financeiros, denominados contratos derivativos, dos quais são usados para mitigar o risco financeiro de operações com duas ou mais moedas diferentes.

    Esse risco, chamado de risco cambial, acontece devido a possíveis mudanças bruscas e inesperadas na taxa de câmbio de uma moeda em relação à outra.

    Desse modo, é relativamente comum observarmos a volatilidade de uma moeda esmagarem todos os retornos de um empreendimento lucrativo.

    Por que fazer um hedge cambial pode ser importante?

    Portanto, as empresas que mais estão expostas a esses movimentos são aquelas que lidam com o mercado internacional. Para isso, elas lançam mão de muitos instrumentos derivativos para fazer o hedge cambial e mitigar esses riscos.

    O próprio nome da operação já sugere do que ele se trata — já que a tradução de hedge significa proteção. Em um hedge de câmbio bem feito, alterações nos fluxos de caixa oriundos dos derivativos compensarão, total ou parcialmente, a mudança no valor justo na relação entre duas moedas.

    Exemplo prático de um hegde cambial

    hedge cambial
    Exemplo prático de um hegde cambial

    Para saber melhor o funcionamento dessa ferramenta e entender como fazer um hedge cambial, suponha a seguinte situação:

    Digamos que uma empresa que obtém suas receitas por meio de exportação de café receba um pedido para entregar US$ 5 milhões em sacas desse produto.

    No entanto, o pagamento somente se dará em três meses. Para saber qual será a receita líquida dessa venda, é preciso levar em consideração a variação cambial no período.

    Se o dólar estiver custando R$ 3,50, a empresa poderá embolsar uma receita de R$ 17,5 milhões. Porém, se o dólar, no dia do pagamento estiver cotado a R$ 3,00, o produtor de café passará a receber R$ 15 milhões. Ou seja, R$ 2,5 milhões a menos do que no primeiro exemplo.

    Desse modo, para evitar esse relevante risco, a empresa deverá realizar um hedge cambial. Para isso, precisará acessar o mercado financeiro e buscar interessados em pagar até R$ 3,40 na moeda nos próximos três meses.

    Desse modo, a empresa garante a quase totalidade do faturamento esperado pela venda de suas sacas de café, evitando assim, uma inesperada perda, ou prejuízo em seu negócio.

    Ferramentas de hedge cambial

    hedge cambial
    Ferramentas de hedge cambial

    Na prática, podemos citar algumas ferramentas de hedge que podem ajudar as empresas nessa estratégia de proteção:

    • Contrato a termo de moeda: esse contrato fixa um preço de cotação para na ocasião que um exportador/importador quiser vender/comprar seu produto no futuro.
    • Fundo cambial: garante que a empresa ou investidor possa colocar de seus recursos em um fundo. Dessa forma, ele pode acompanhar em tempo real a cotação do mercado de forma segura.
    • Mercado futuro: pode ser acessado por meio da bolsa de valores. Nele, o investidor poderá acompanhar as variações de preços em tempo real.
    • Compra e venda: nesse contrato, ele te dará o direito de compra alguma coisa no futuro, a preço de hoje. Funciona como se a cotação da moeda fosse congelada num patamar favorável ao seu negociador.

    Portanto, se o investidor tem uma carteira fortemente concentrada em ativos internacionais, ele então estará exposto ao risco cambial. Desse modo, em determinadas ocasiões, ele necessitará realizar um hedge cambial para se proteger de uma eventual volatilidade.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    7 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Bilionário do Zero 11 de dezembro de 2019

      Muito esclarecedor, estou virando fã deste site, volta e meia pesquiso alguma dúvida e encontro aqui a resposta. Obrigado.

      Responder
      • Suno Research 11 de dezembro de 2019

        Ficamos felizes em ler isso, abraço e sucesso nos investimentos.

        Responder
    • José Andrade 27 de janeiro de 2020

      Ótimo conteúdo parabéns.

      Trabalhei em uma empresa onde nós fazíamos o Hedge de P&L da exposição em Reais, pois como 90% dos nossos custos de materiais eram importados e os nossos clientes nos pagavam em dólar de acordo com a taxa da cotação e reconciliávamos a Variação Cambial com os mesmos através de Claim’s.

      Responder
    • Charles 26 de fevereiro de 2020

      Existe a possibilidade de valorização das cotas, ainda que o dólar sofra quedas constantes. Ou o fundo só garante rentabilidade positiva em caso de alta no valor do dólar?

      Responder
    • EDUARDO MACEDO STROPPA 12 de março de 2020

      Estou fazendo uma cotação para uma obra onde será necessária a importação de alguns equipamentos. Recebi cotações com Dólar a R$ 4,30. Há possibilidade de fazer um contrato de Hedge Cambial para garantir a cotação a 4,30 para 2021?

      Responder
      • Suno Research 12 de março de 2020

        Olá, Eduardo.
        Para detalhes específicos como este, recomendamos que consulte instituições que ofereçam contratos futuros.

        Responder
    • Renata Patarello 28 de abril de 2020

      Olá Gostaria de saber dentre as 4 opções elencadas, qual desta seria a mais indicada pra pagar fornecedores estrangeiros.

      Responder