ConhecimentoFundosInvestimentos

Sabe o que são os Fundos Offshore e suas principais peculiaridades?

By 11 de janeiro de 2018 No Comments

Dentro do universo dos fundos de investimentos, existem categorias que por muitas vezes são negligenciadas pela maioria dos investidores deste tipo de ativo do mercado financeiro e, dentre eles, os Fundos Offshore se fazem presentes.

Nesse contexto, é muito importante que as pessoas que tenham interesse em aplicar nesse tipo de investimento saibam a respeito dos Fundos Offshore, de modo que, assim, tenham possibilidades de diversificar ainda mais o seu capital.

O que são Fundos Offshore?

Os Fundos Offshore são um tipo de fundo o qual a sua sede se localiza formalmente no exterior, porém o gestor pode se estabelecer no Brasil.

Nesta conjuntura, esse tipo de fundo investe os seus recursos em ativos que também se encontram exterior.

Existem, normalmente, 3 tipos de Fundos Offshore. São eles:

  • Fundo de renda fixa;
  • Fundo de renda variável;
  • Fundo misto;

Sendo o mais comumente utilizado pelos investidores os Fundos Offshore de renda variável.

Vantagens dos Fundos Offshore

Dentre os principais pontos positivos atribuídos a este tipo de aplicação, os destaques são a possibilidade de se aplicar recursos no exterior de maneira mais fácil, rápida e objetiva; o fato de apresentarem uma histórica alta rentabilidade; além de ser uma possibilidade interessante de diversificação de uma carteira de investimentos.

Desvantagens dos Fundos Offshore

Em contrapartida, muitas desvantagens podem ser observadas para esse tipo de investimento.

As mais comuns se fazem presente no fato desse tipo de ativo requerer valores mínimos consideráveis de aplicação (US$ 200.000,00); não possuir garantias pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC); o fato de estar sujeito a variação cambial, fator este que pode influenciar negativamente a rentabilidade deste tipo de fundo de investimento; além de apresentar altas taxas de administração e também taxa de performance.

Considerações

É praticamente impossível abordar o assunto sobre Fundos Offshore sem mencionar uma outra classe de ativo bastante próximo, que é o Fundo de Dívida Externa.

Este outro tipo de ativo possui como característica principal o fato de ter que possuir, no mínimo, 80% do seu patrimônio líquido investido em títulos de dívida brasileira negociados no exterior.

No comparativo entre essas duas classes de investimentos é possível perceber peculiaridades interessantes.

Um Fundos Offshore de renda fixa, por exemplo, pode investir em títulos de dívida emitidos por governos de diversos países, inclusive o Brasil, negociados no exterior.

Pode, ainda, investir em corporate bonds, ou seja, títulos de dívidas emitidos por empresas brasileiras ou estrangeiras que são negociados no exterior.

Já o Fundo de Dívida Externa investe, principalmente, em títulos de dívida do governo brasileiro negociados no exterior.

Conclusão

Conforme foi possível perceber, para quem possui afinidade por investir no Tesouro Direto, esse tipo de fundo se faz em uma alternativa bastante viável, pois pode representar uma oportunidade de se investir no “tesouro” de outros países, podendo, assim, exercer uma diversificação interessante em sua carteira.

Contudo, como mencionado, o valor mínimo para se investir nos Fundos Offshore são bastante altos, o que faz com que esse tipo de ativo seja restrito a uma parcela bem pequena da população, não deixando de possuir, contudo, todas as suas versatilidades mencionadas anteriormente.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.