fundos de pensão

Diante a incerteza de uma aposentadoria que permita ao seu beneficiário viver bem no futuro, os fundos de pensão têm sido bastante procurados por quem deseja garantir uma velhice confortável.

É verdade que no mercado financeiro há uma gama de opções de ações e aplicações de longo prazo nas quais investir, então porque investir em um fundo de pensão?

Os fundos de pensão são previdências complementares oferecidas por empresas e são baseados na formação de reservas feitas por meio de contribuições mensais dos empregados e também empregadores. Esses valores são investidos pelos administradores do fundo e seus rendimentos adicionados às contribuições servem para o pagamento dos benefícios aos participantes.

É preciso ter em mente que os fundos de pensão são uma forma de previdência privada, que poderá complementar o valor a ser pago pela Previdência Social.

Assim, unindo as duas rendas, será possível ter uma vida melhor quando o trabalho não for mais uma obrigação ou uma opção.

Por outro lado, esse tipo de investimento nem sempre é o melhor no longo prazo. Isso porque algumas taxas, como a de administração, podem corroer parte da retabilidade.

Investir diretamente em fundos imobiliários ou na bolsa de valores costuma trazer melhores frutos no longo prazo. Para isso, a Suno pode te ajudar com relatórios sobre empresas e carteiras recomendadas com foco na sua aposentadoria.

Tipos de fundos de pensão

fundos de pensão 2

Existem diversos tipos de fundos de pensão privados oferecidos no mercado:

  • com benefício definido
  • com contribuição definida
  • com contribuição variável

Os fundos de pensão com benefício definido fornecem um cálculo antecipado dos valores que serão recebidos na aposentadoria.

Mas, nesta modalidade, o valor da contribuição não será um valor fixo, pois estará sujeita a variações para garantir o pagamento dos benefícios.

Já os fundos de pensão com contribuição definida te dão a possibilidade de fixar as parcelas pagas ao longo dos anos.

No entanto, o valor do beneficio a ser recebido só será definido na hora da aposentadoria em si, quando será calculada a média da contribuição paga até ali.

Os fundos de pensão com contribuição variável, por sua vez, são uma mescla das duas demais opções, sendo necessário ler atentamente as características descritas nos regulamentos de cada plano de benefícios.

É importante destacar que os valores dos benefícios, que só poderão ser sacados quando o trabalhador sair da empresa ou for demitido, são aplicados pela entidade que administra o fundo, com base em cálculos atuariais.

Riscos dos fundos de pensão

Como todo investimento, os fundos de pensão também apresentam riscos ao investidor, sendo o maior deles a possibilidade de o fundo escolhido não fazer o pagamento do benefício.

Este é, inclusive, um dos motivos que leva muitos brasileiros a optarem pela poupança na hora de guardar o seu dinheiro para o futuro.

No entanto, o rendimento da poupança é baixo, perdendo para outras opções de investimentos que trazem melhor retorno, especialmente em longo prazo.

Administradoras dos fundos de pensão

fundos de pensão 3

Todas as instituições que trabalham com planos de previdência aberta são fiscalizadas pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc).

Há várias opções de fundos privados, inclusive voltados a funcionários de empresas estatais, disponíveis no mercado.

Em 2018, as regras para a fiscalização dos fundos de investimento também endureceram, sendo necessário agora apresentar regularmente o parecer de um auditor profissional certificado e registrado na CVM.

Há ainda uma lei que obriga que diretor contábil, auditor ou o comitê de auditoria destes fundos comunique problemas como fraudes à Previc em até 10 dias.

Para fiscalizar fraudes, os maiores fundos de pensão devem ter comitês de auditoria para fiscalizar a movimentação financeira realizada neles.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.