FGC

Você já ouviu a frase de que a renda fixa é garantida pelo FGC? Talvez você tenha ouvido isso quando aplicou em um CDB.

Então, essa é uma meia-verdade. De fato, o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) concede uma proteção ao investidor em diversas aplicações em Renda Fixa. Mas essa garantia não é ilimitada e nem abrange todos os investimentos da Renda Fixa.

O Fundo Garantidor de Crédito foi fundado em 1995, e é uma associação privada civil sem fins lucrativos, que tem como objetivo garantir a recuperação de depósitos e créditos em instituições financeiras, em caso de falência.

Basicamente, os associados, que são as instituições financeiras, contribuem mensalmente com 0,0125% dos depósitos elegíveis à garantia.

Os principais investimentos cobertos pela garantia são:

  • Caderneta de poupança
  • CDB e RDB
  • Letras de crédito imobiliário (LCI)
  • Letras de crédito do agronegócio (LCA)
  • Letras de câmbio (LC)
  • Letras imobiliárias (LI)
  • Letras hipotecárias (LH)

Portanto, existem outros investimentos da Renda Fixa que não são garantidos, como:

  1. Debêntures,
  2. Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI)
  3. Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA)
  4. Letra Imobiliária Garantida (LIG)

Além disso, qualquer fundo de investimento, mesmo aqueles que investem em Renda Fixa, não possuem garantia.

E obviamente, nenhum investimento em Renda Variável conta com essa proteção.

Histórico do Fundo Garantidor de Créditoshistórico do FGC

Esse fundo é confiável? Definitivamente.

Até hoje, nunca houve calote. O fundo pagou garantias referentes a mais de 30 falências de bancos brasileiros.

De fato, as reservas da instituição estão dentro dos parâmetros internacionais.

Além disso, em caso extremo, o fundo ainda pode contar com contribuições adicionais dos associados e outras linhas de crédito para honrar os pagamentos.

Como funciona a garantiacomo funciona a garantia

Basicamente, a garantia é de R$ 250.000 por CPF contra todas as instituições de um mesmo conglomerado financeiro.

Essa garantia inclui tanto o investimento realizado como os juros acumulados até a data em que o BACEN decreta Regime Especial (Intervenção ou Liquidação).

Mas existem alguns poréns…

O primeiro deles é que existe o limite total de R$ 1.000.000 a cada 4 anos.

Ou seja, digamos que o investidor tivesse direito a R$ 250.000 em 10 bancos diferentes e todos falissem na mesma hora.

Portanto, esse investidor só recuperaria R$ 1 milhão, e perderia R$ 1,5 milhão.

Mas o limite de R$ 250.000 também se aplica por conta conjunta. Cada titular recebe sua parte proporcional.

Portanto, se uma conta de R$ 250.000 tiver 2 titulares diferentes, cada um terá direito a R$ 125.000. Se tiver 5 titulares, cada um recebe R$ 50.000.

E se uma conta tiver 2 titulares e o saldo for de R$ 400.000, cada um irá receber R$ 125.000 e não R$ 200.000.

Quanto ao tempo para receber o dinheiro, não há um prazo pré-definido.

Mas analisando o histórico de pagamentos, vemos que os credores em média, receberam a garantia em até 2 meses após decreto do BACEN.

Contudo, já houve um caso raro em que o pagamento demorou quase 4 anos.

Ou seja, o investidor de renda fixa corre o risco de ficar com seu investimento parado por anos, sem poder ganhar juros e com a possibilidade de ser corroído pela inflação.

Conclusão sobre o Fundo Garantidor de CréditosConclusão FGC

O FGC é uma instituição bastante sólida, e sempre honrou com seus compromissos. Apesar disso, em um caso extremo o investidor pode levar anos para recuperar o seu investimento, deixando de ganhar juros nesse período.

Compartilhe a sua opinião
Rodrigo Wainberg

Rodrigo Wainberg

Profissional aprovado no Level III da certificação CFA, investidor em ações há 6 anos, possui registro de Analista e Consultor de Valores Mobiliários, e é Bacharel em Física pela UFRGS.