Na busca por melhores resultados para uma empresa, existem vários caminhos que os gestores podem seguir, um deles com certeza, é o controle de estoques.

Compreendemos como estoque, os produtos (sejam eles produtos terminados ou inacabados) que estão sobre a posse de uma empresa. De modo geral, são materiais e suprimentos utilizados para a produção de um produto ou para suprimir a demanda da própria empresa.

Seja qual for o tamanho de uma companhia, o controle de estoque é essencial para a sobrevivência de uma empresa num cenário competitivo de mercado. Em contabilidade, ele fica localizado nos ativos circulantes de um balanço patrimonial.

Atualmente, devido a técnicas modernas de controle de materiais, as empresas procuram estocar o mínimo possível de insumos para a sua produção ou entrega. Isso se deve porque, apesar de apresentar algumas vantagens, custos operacionais relevantes são atribuídos a uma empresa que possui muitos produtos estocados.

Vantagens em constituir um estoque

Em geral, as empresas possuem estoques por um bom motivo. Ele não é de todo prejudicial para uma companhia, apesar do seu excesso pode corroer os retornos financeiros de uma empresa. A seguir temos algumas vantagens que as empresas geralmente listam ao justificarem a composição dos seus volumes:

  • Protege a companhia contra o aumento dos preços de mercado (inflação);
  • Evita problemas com fornecedores que atrasam entregas;
  • Redução de preço na compra de grandes quantidades;
  • Economia no custo de transporte, etc.

O planejamento de estoque

Planejar os volumes estocados de uma companhia é uma das estratégias principais para as empresas que querem alcançar um desempenho de alta eficiência em sua indústria.

Nesses casos é preciso que o haja um gerente muito qualificado de modo a controlar os diferentes interesses dos departamentos de uma empresa. Por exemplo, o departamento de vendas exige uma elevada estocagem para garantir que não faltará mercadorias para atender os seus clientes, no entanto, o setor financeiro luta pelo contrário, por menores volumes de modo a beneficiar o fluxo de caixa da empresa.

Saber dosar essas duas variáveis não é nada fácil, e é por esse motivo que muitas empresas falham nessa tentativa de equalizar essas duas “forças” nas suas tomadas de decisões.

Não há dúvidas que um bom planejamento de negócios sobre esse tema seja essencial para a satisfação geral dos empregados de uma companhia, dos seus acionistas e dos clientes como um todo.

Para satisfazer essa demanda, os gestores de uma empresa devem contratar profissionais especializados nessa área, pois as empresas que conseguem satisfazer os seus clientes em tempo hábil e com boa geração de caixa são as que prosperam sobre a concorrência no longo prazo.

Conceito de estoque de segurança

No dia a dia de uma empresa, os volumes estocados ideais são aqueles mais econômicos para fazer uma venda. Porém, como não é possível que os gestores de uma empresa façam previsões exatas sobre a demanda de seus produtos, então eles criaram o chamado estoque de segurança.

Esse conceito existe na prática e é calculado apenas para diminuir o risco da empresa não ter os produtos demandados pelo cliente. Isso acontece por conta de possíveis problemas inesperados com os fornecedores, ou até por conta de uma mudança na demanda esperada.

Como o próprio nome da já diz, o estoque de segurança serve para a empresa ter a segurança de que não vai atrasar as vendas de seus produtos para os clientes. Nesses casos, é provisionada uma quantidade extra de determinados produtos de modo a nunca permitir que ele falte nas prateleiras de uma loja.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.