Acesso Rápido

    Dinheiro parado: entenda o prejuízo de deixá-lo na conta corrente

    Dinheiro parado: entenda o prejuízo de deixá-lo na conta corrente

    Embora muitos brasileiros acreditem que ter dinheiro parado na conta corrente é interessante, essa não é uma prática indicada.

    Ter dinheiro parado na conta representa, na verdade, uma perda. Pois, mesmo se for pequena, a inflação reduz o poder de compra daquele recurso ao longo do tempo. Para lidar com esse tipo de situação, é preciso estar atento ao planejamento financeiro.

    O que é o dinheiro parado?

    Dinheiro parado é um capital que se encontra depositado em uma conta corrente. Esse dinheiro, desse modo, não possui nenhum rendimento, o que é prejudicial às finanças pessoais.

    Minicurso: Investindo no Tesouro Direto

    Inscreva-se no nosso minicurso gratuito e aprenda os principais conceitos sobre o Tesouro Direto para quem quer começar a investir!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Afinal,  existe a inflação que é basicamente o aumento médio do preço de bens e serviços. E, se considerarmos os gastos básicos, como supermercado e farmácia, o valor real da inflação pode ser ainda maior. Isso acontece porque esses são os setores que costumam ter os maiores índices de alta.

    Logo, se o dinheiro que uma determinada pessoa recebeu no começo do ano ficou parado em uma conta corrente, provavelmente, no final desse período, o mesmo dinheiro não será capaz de comprar a mesma quantidade de produtos.

    O que fazer com o dinheiro parado na conta?

    Embora muitas pessoas deixem o dinheiro parado na conta corrente para uma possível reserva de emergência, essa não é uma opção saudável. Pois, além de não gerar nenhum rendimento, ele sofrerá uma desvalorização ao se considerar a inflação do país. É preciso buscar formas de como fazer o dinheiro render.

    O ideal é, primeiramente, saber por quanto tempo o dinheiro não será usado. Caso ele não seja necessário imediatamente, aplicações com prazo para resgate maior normalmente possuem uma rentabilidade melhor.

    No entanto, caso o dinheiro esteja parado justamente para imprevistos, o ideal é aplicar dinheiro em um ativo com resgate automático ou com liquidez diária.

    Quer aprender a investir? Então conheça os 10 livros que todo investidor precisa ler.

    O que é a aplicação com resgate automático?

    Essa é uma aplicação voltada para o curto prazo, com rendimento diário de juros. Ou seja, caso o dinheiro fique aplicado por 3 dias, a pessoa receberá o rendimento desses três dias. É como se ela possuísse o saldo em conta, mas rendendo juros.

    A maioria dos bancos oferece essa opção para o cliente. Normalmente, são aplicações CDB baseadas baseadas no CDI. Sendo assim, apesar de ser um CDB, o resgate automático renderá menos que o resgate de um CDB convencional com o mesmo período de aplicação.

    Isso não é uma regra, e pode variar de banco para banco. No entanto, na maioria dos casos, quanto maior for o prazo de resgate, maior serão os juros pagos pela instituição bancária ao cliente.

    Quer organizar seu orçcamento familiar? Conheça a planilha Suno de Orçamento familiar

    Formas de aplicação

    Deixar o dinheiro parado na conta normalmente é sinônimo de perda financeira. Por isso, é importante deixá-lo aplicado. Contudo, embora possam surgir imprevistos, nem sempre o dinheiro precisa ficar todo em um resgate automático.

    Uma opção seria fragmentá-lo buscando diversas formas de aplicação. Tome-se como exemplo uma quantia de R$ 50 mil reais na conta. Uma forma de organizar investimentos de forma conservadora, em busca de diversificação, seria:

    • Equivalente a 6 meses de custo de vida de R$ 2 mil em resgate automático (R$ 12 mil);
    • R$ 25 mil em renda fixa a longo prazo (CDBs, Tesouro Direto e LCIs ou LCAs);
    • R$ 13 mil em renda variável (ETFs, Fundos de ações, Ações e Fundos Imobiliários).

    O exemplo acima é hipotético, e a estratégia varia bastante de caso a caso. Ao fazer essas aplicações, é importante também saber o grau de risco de cada uma.

    Foi possível entender melhor sobre o dinheiro parado e como pode impactar suas finanças? Deixe suas dúvidas nos comentários abaixo.

    Gabriela Mosmann
    Compartilhe sua opinião
    6 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Wanderson 29 de novembro de 2019

      Gostei muito do seu post, o conteúdo além de ser bem explicado tem me ajudado muito, vou acompanhar mais suas postagens.

      Responder
      • Suno Research 29 de novembro de 2019

        Bom saber! Conhecimento não tem preço!

        Responder
    • Djhones 12 de fevereiro de 2020

      Sobre o dinheiro parado nas corretoras … Por exemplo eu vendi ações pretendo esperar uma boa oportunidade para investir novamente … Para este dinheiro não ficar parado na corretoras … Em que poderia aplicar … Mas que no caso de eu precisar do dinheiro para investir em algumas ações eu possa resgatar imediatamente …

      Responder
    • Robério 13 de fevereiro de 2020

      Possuo 20k numa conta ( Itaú Personallité) que me rende diariamente, porém muito pouco – CDB com 90% do CDI.

      Quero diversificar esse dinheiro da seguinte forma: 25% na reserva de emergência. 25% em ações no Brasil. 25% em FIIs, e 25% em ações norte americanas.

      Só que, como nunca investi, qual o passo-a-passo que devo adotar?

      Responder
    • Marcelo Campos 28 de maio de 2020

      Boa Tarde,

      Tenho pequeno valor na Conta Corrente. Como posso investir valores pequenos, como por exemplo MIL REAIS, ?

      Att
      Marcelo Campos

      Responder
    • [email protected] 10 de junho de 2020

      Gostaria de saber se uma pessoa pode começar a investir com uma quantia de 150reais ao mês e aonde ela pode investir e qual são os riscos

      Responder