ConhecimentoInvestimentos

Desdobramento de ações – decisão que visa aumentar liquidez dos ativos

By 9 de novembro de 2017 No Comments

No mercado financeiro, existe um mecanismo muito utilizado pelas empresas dos mais variados setores que tem por objetivo aumentar o número de seus papéis negociados na bolsa, e este recurso chama-se desdobramento de ações.

O desdobramento visa aumentar a liquidez dos ativos no mercado, e é uma decisão normalmente que é normalmente tomada pelo conselho de administração das companhias abertas.

Há de se destacar, também, que é muito comum que essa expressão seja referenciada, no mercado, através da palavra Split, que nada mais é do que a palavra no inglês para essa ferramenta.

Processo de desdobramento

Neste tipo de processo, normalmente as empresas disponibilizam ao mercado uma quantidade “extra” de ações, ao passo que, ao mesmo tempo, diminui-se o preço das ações na mesma proporção deste aumento de papéis, de modo que, dessa forma o valor real daquela empresa permaneça inalterado.

Assim sendo, esta movimentação não gera e nem retira nenhum valor ao acionista, pois o valor intrínseco daquele empreendimento permanece o mesmo.

Assim sendo, um processo de desdobramento de ações é a mesma coisa que se trocar seis por meia dúzia.

Há de se destacar, entretanto, que normalmente essas operações seguem alguma proporção padrão, como 1:2, 1:3 ou 1:10, por exemplo.

Com isso, pode-se concluir que o investidor passará a possuir uma quantidade de ações duas, três ou dez vezes maior, respectivamente, ao passo que os preços destes ativos irão diminuir exatamente nas mesmas proporções que a multiplicação das ações sob sua custódia.

Desdobramento de ações – Magazine Luiza

A título de exemplificação, usemos o caso de desdobramento de ações do Magazine Luiza.

No dia 16 de agosto, a companhia emitiu um fato relevante ao mercado, anunciando uma proposta de desdobramento das suas ações na proporção de 1:8.

 

 

Desdobramento de ações aumento de liquidez

Desdobramento de ações – Magazine Luiza

No caso acima referenciado, a companhia enalteceu que os objetivos de tal decisão foram aumentar a liquidez dos seus papéis e também tornar estes ativos mais acessíveis aos investidores, isto por que, na ocasião, os seus papéis estavam sendo negociados ao preço de pouco mais de R$ 480,00, valor realmente bastante alto para uma ação.

Após o desdobramento, as suas ações, então passaram a ser negociadas, na ocasião, a 8 vezes menos, ou seja, a R$ 61,20.

 Desdobramento de ações Magazine Luiza

Preço das ações do Magazine Luiza

Assim, não fica difícil perceber que, com essa operação, os ativos da Magazine Luiza (MGLU3) passaram a ter preços muito mais acessíveis ao investidor comum, gerando, como consequência, uma maior movimentação de compra e venda dos mesmos no bolsa de valores.

Pontos a se destacar

É interessante salientar, ainda, que alguns investidores atribuem como positivo o fato de algumas ações terem realizado essas operações ao longo dos anos.

Isto por que, de certa forma, isso demonstra que as ações dessas empresas foram bastante valorizadas no mercado, por diversos fatores, e a companhia precisou interver de modo que as mesmas pudessem voltar a ter liquidez na bolsa de valores.

A Ambev é um exemplo de empresa que já realizou split.

Ultrapar e Klabin também são outras empresas que já passaram por um forte processo de valorização de suas ações na história e, por conta disso, já realizaram este tipo de operação acionária.

Outro ponto interessante nesse tipo de processo é que, apesar de não criar valor real para a companhia, o split pode gerar uma nova demanda pelos papéis da empresa em questão.

Isto ocorre pois, com esta transação, os papéis da empresa se tornam mais acessíveis, e isso atrai investidores que antes não poderiam comprar esses papéis.

Além disso, este acontecimento gera um fluxo de notícias relacionados a empresa que pode gerar um aumento do interesse especulativo pelo papel, o que tende a aumentar ainda mais a sua liquidez no curto prazo.

Por conta disso, inclusive, é preciso destacar que uma companhia que faz splits pode atrair uma base acionária que talvez não seja de interesse da mesma.

Estas transações acionárias podem levar a uma maior participação de investidores que buscam empresas de preço mais barato e que tenham um perfil mais especulador.

Conclusão

É possível concluir, assim, que os desdobramentos não representam uma ferramenta que cria valor para uma empresa, e sim tende a aumentar o acesso a pequenos investidores o fluxo de movimentações de compra e venda dessas ações na bolsa de valores e, por conta disso, os pontos positivos e negativos desta prática são praticamente ínfimos para a valorização de uma empresa no longo prazo.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.