O contrato a termo é um dos derivativos mais simples que contempla o mercado de capitais.

Deste modo, para uma melhor compreensão, este conteúdo irá abordar os principais conceitos que o investidor precisa saber em um contrato a termo.

No mercado financeiro, um contrato a termo é um acordo não padronizado entre duas partes para comprar ou vender um ativo em uma data no futuro a um preço fixado e acordado. O “não padronizado” quer dizer que pode ser negociado mediante um contrato particular, não necessitando de uma bolsa de futuros.

Mas, para continuarmos, nesse artigo teremos como base os contratos a termo feitos através da bolsa de valores B3 – Brasil Bolsa e Balcão.

Contrato a termo – Regras

No mercado a termo, o prazo das operações é o intervalo de dias aceitos para o registro das mesmas. Esse período é de 16 a 999 dias corridos.

Também, para que o investidor possa fazer suas aplicações, é necessário ter o registro na Companhia Brasileira de Liquidação e Custodia (CBLC).

Além disso, é preciso ter um limite mínimo para as transações, utilizados como margem de garantia nas operações.

Neste contexto, podemos destacar também que o investidor poderá ter que depositar garantias adicionais caso seja necessário.

É importante lembrar que, havendo um acordo entre as partes, o contrato pode ser liquidado antes de seu vencimento.

Em um contrato a termo, como se define o preço?

Contrato a termo

A princípio, o preço a termo de um contrato determina-se somando um custo de manutenção, ou custo líquido de financiamento, ao preço a vista correspondente ao momento da transação.

 

Preço a termo = preço à vista + custo de manutenção

 

Podemos definir que esse preço resulta da adição, ao valor cotado no mercado a vista, de uma parcela correspondente aos juros que são fixados livremente no mercado.

Essa realização é semelhante à de um negócio a vista, necessitando a intermediação de uma sociedade corretora.

Como ocorre a liquidação de um contrato a termo?

As operações contratadas poderão ser liquidadas na data do vencimento ou em data antecipada solicitada pelo comprador, pelo vendedor ou por acordo mútuo.

Assim, o tipo de antecipação do prazo de liquidação deve ser indicado no momento da realização da operação. Caso contrário, prevalecerá o acordo inicial.

Seguindo o critério de liquidação antecipada, as operações a termo são classificadas em três tipos:

  • Vontade do comprador (VC);
  • Vontade do vendedor (VV);
  • Acordo mútuo (AM);

Porque fazer operações com um contrato a termo?

Geralmente, as operações realizadas nesse mercado são feitas com a intensão gerar caixa ou financiamento.

Na operação de caixa, o investidor vende a vista um lote de ações que possui e compra (no mesmo pregão) o mesmo lote a termo, por exemplo, para 30 dias.

Deste modo, o custo do financiamento é dado pela diferença entre os preços de compra e venda.

Já uma operação de financiamento é inversa a de caixa. Um investidor compra a vista um lote de ações que possui e vende (no mesmo pregão) o mesmo lote a termo, por exemplo, para 30 dias.

Neste sentido, o custo do financiamento é dado pela diferença entre os preços de compra e venda.

Considerações

Por fim, podemos fixar que um contrato a termo pode gerar várias vantagens sendo elas a diversificação de riscos, a obtenção de recursos na operação de caixa, a proteção dos preços e podendo também gerar uma alavancagem de ganhos.

Compartilhe a sua opinião

Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.