como investir fora do Brasil

Muitos investidores que já acumularam um bom patrimônio pessoal se perguntam se deveriam aplicar em outros países e como investir fora do Brasil.

Há diversas razões pelas quais fazer isso é interessante, como para diversificar seus investimentos. E você verá algumas nesse artigo, e também como investir fora do Brasil.

Diversificação de risco

Ao investir somente em um país o investidor está exposto a todos os riscos dessa economia. Em uma eventual crise econômica, por exemplo, os ativos brasileiros irão ser diretamente afetados, aumentando o risco dos investimentos e diminuindo a rentabilidade. Leia esse artigo para saber mais.

Investir em moeda forte

O Real como moeda brasileira tem seu câmbio influenciado por diversos fatores internos e externos. O Real pode se desvalorizar mesmo em um bom momento da economia brasileira devido a eventos internacionais, como uma mudança da política monetária dos Estados Unidos ou Europa.

Além disso, por o Brasil ser um grande exportador de commodities, mudanças nesse mercado afetam diretamente o câmbio. Investindo em moedas chamadas fortes (como dólar, Euro, Libra e Iene), o investidor pode contrabalancear possíveis desvalorizações do Real. Já que os câmbios dessas moedas, em geral, não são afetados pelas mesmas variáveis que o Real.

Diversificação de setores

O mercado de ações brasileiro, apesar de grande, não é tão evoluído como o de países desenvolvidos. Dessa forma, ao investir em ações no Brasil o investidor se vê preso a alguns setores de investimento, principalmente se visar liquidez, como commodities e financeiro. Já nas bolsas americanas, europeias e japonesas há diversas boas ações no setor de saúde, tecnologia e entretenimento, por exemplo.

Investir nas empresas mais promissoras do mundo

Por falar em tecnologia, muitas teses de investimento afirmam que é preciso ter na carteira esse setor em ações. Já que como investimento de longo prazo, as empresas de tecnologia tendem a ser as empresas que  serão ainda mais relevantes no futuro.

Ao investir no exterior, é possível investir nas empresas mais promissoras do mundo como Google, Facebook, Apple, Amazon e Netflix.

Como investir fora do Brasil?

como investir fora do Brasil

Uma das maneiras de se investir no exterior é abrindo uma conta internacional e investir no país de origem. Mas isso não é necessário. Existem diversas maneiras de se expor aos investimentos internacionais no Brasil.

  • Fundos de investimento

Alguns fundos de investimento têm um mandato para alocar uma pequena parte do seu portfólio em ativos internacionais. E há os fundos de investimento no exterior, segundo a classificação da CVM, que investem pelo menos 40% do seu patrimônio líquido no exterior. Podem ser fundos multimercados, de ações ou mesmo renda fixa.

  • ETF S&P 500

Os ETFs são fundos que acompanham um índice. Na B3 está listado o ETF S&P 500, que segue o índice das 500 maiores empresas da bolsa americana. Dessa forma, é possível investir nas maiores ações da bolsa americana sem sair da bolsa brasileira.

  • BDRs

Outra opção para investir em ações americanas na bolsa brasileira são as BDRs (Brazilian Depositary Receipts), que são valores mobiliários emitidos no Brasil com lastro no exterior, geralmente ações. Dessa forma, é possível investir em empresas como Twitter e Facebook. Há BDRs patrocinadas e não Patrocinadas. Para saber a lista das BDRs listadas veja o site da B3.

  • COE

O Certificado de Operações Estruturadas (COE) combina operações de renda fixa o mercado de derivativos e pode ter como objetivo o rentabilidade de qualquer classe de ativo. Como renda fixa, variável, câmbio, inflação e ativos internacionais.

Muitas opções de COE possuem estrutura de capital protegido. De forma que, mesmo em um cenário de queda de rentabilidade, você garante o seu capital principal. Com isso, fica mais seguro e fácil entender como investir fora do Brasil.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.