comércio internacional

Você sabe o que representa o comércio internacional?

O comércio internacional é a chave para o desenvolvimento econômico de inúmeros países.

O comércio internacional representa a série de trocas e vendas comerciais que inúmeros países exercem entre si. Para agilizar este processo e aumentar os ganhos do comércio, existe uma série de regras assumidas por todos os países no que diz respeito ao comércio mundial.

Além disso, há instituições responsáveis por regular essas regras. Por exemplo, a OMC (Organização Mundial do Comércio) é uma das mais importantes dessas instituições.

A importância do comércio internacional na atualidade é bastante considerável. Um exemplo disso é a existência de inúmeros blocos econômicos.

Ao longo do artigo será também descrita a vocação do comércio internacional brasileiro.

A importância do comércio internacional na atualidade

A importância do comércio internacional na atualidade

Praticamente todo país no mundo possui uma vocação para produzir determinado tipo de produto.

Por exemplo, a China possui uma vocação para produzir produtos industriais a preços baixos. Isto ocorre devido à sua grande quantidade de mão de obra disponível.

A Índia, por exemplo, se notabilizou por oferecer operações relacionadas ao setor de serviço por um baixo custo. Enquanto que a Alemanha se notabilizou pela sua produção de automóveis. E os Estados Unidos pela sua produção de softwares de tecnologia.

Em suma, todos os países produzem bens que são demandados por outros países. Todos os exemplos citados acima são altamente demandados. O mais importante é o fato de que eles são demandados em todo o mundo, e não só localmente no país.

Como esses países apresentam vocação para tais atividades, eles possuem grande produtividade em suas respectivas áreas.

Esta produtividade acima da média é conhecida na economia como “vantagem comparativa”. Também chamada de vantagem competitiva.

Existe uma teoria comprovada matematicamente de que cada país estará economicamente melhor se tiver foco na área onde possui uma vantagem comparativa. Ou seja, a China deveria focar em produtos industrializados, enquanto importaria dos outros países os demais produtos necessários.

Imagine, por exemplo, que a China fosse produzir tudo o que ela consome. O país, obviamente, teria muito menos sucesso econômico desta maneira. Afinal, ele não possui vocação para produzir vários produtos.

O país, por exemplo, não teria a mesma eficiência da Alemanha ao produzir automóveis de alto nível. Da mesma forma que a Alemanha não conseguiria produzir produtos industrializados a preços baixos da China.

É assim, portanto, que o comércio internacional tende a beneficiar todos os países.

Com o avanço da globalização, cada vez mais os países podem importar e exportar produtos. Assim, o progresso econômico do mundo tende a se acentuar conforme a importância do comércio internacional na atualidade cresça.

Comércio internacional brasileiro

O comércio internacional brasileiro é conhecido no mundo, sobretudo, pela sua exportação de commodities.

São exemplos de exportações brasileiras:

  • Petróleo
  • Celulose
  • Minério de ferro

Inclusive, existem grandes empresas listadas na bolsa de valores focadas em exportar esses produtos.

Por exemplo, a Petrobras é uma das maiores exportadoras de petróleo do mundo. Já a Suzano Papel e Celulose é uma das empresas mais efetivas em seu setor.

Por fim, a Vale se destaca no setor de exportação do minério de ferro.

O comércio internacional do Brasil também é incentivado pela existência de blocos econômicos. Blocos econômicos são uma junção de grupos de países que estabelecem condições especiais entre si para a compra e venda de produtos.

Um grande exemplo de bloco econômico é o Mercusul, composto por algumas nações da América do Sul.

Este bloco ajuda a incentivar a exportação e assim o comércio internacional entre os países.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.