carteira de ações

Alguma vez já te ensinaram como montar uma carteira de ações?

O papel de uma carteira de ações é fundamental para o sucesso no longo prazo. E por isso, todo investidor deve aprender a montar a sua.

E não é difícil.

Uma vez ouvi uma analogia muito interessante: uma boa carteira é como se fosse um bom time de futebol. Tem que ter:

  • Goleiro
  • Zagueiros
  • Meio de campo
  • Atacantes

O árbitro é a CVM. E o técnico é você.

Então falta saber como montar o seu time dos sonhos.

Goleiro e zaga – Ações da defesa

ações da defesaA retaguarda dos seus investimentos é muito importante.

Por isso, você deve possuir papéis de empresas maduras, de setores previsíveis, com um longo histórico de resultados.

Ou seja, destacamos aqui os setores de energia elétrica, de transmissão, e também o setor financeiro, especialmente os grandes Bancos e Seguradoras.

O nosso amigo, o rei dos ovos, também sempre nutriu afeição por esses setores da economia.

De fato, caso ocorra uma crise econômica e o time adversário invada sua área, você ainda conta com um fluxo regular de dividendos para se proteger.

E mesmo quando a maioria das suas ações cai bastante, esses papéis costumam ser mais resilientes. E é claro que quando a bolsa sobe forte, eles também são mais moderados e não vão pro ataque.

Quem nos apresentou essa ideia foi o Luiz Barsi. Ele chama essas ações de “papéis do cativeiro” ou “papéis de viúva”, porque não saem muito do lugar e pagam dividendos regulares, respectivamente.

Ações do Meio de campo

ações do meio de campoAs ações do meio campo fazem a ponte entre a zaga e o ataque. Aqui podemos mencionar empresas com um bom potencial de crescimento, um histórico bom de resultados, mas que não atingiram ainda a maturidade.

Aqui existem uma gama de oportunidades. Podemos citar empresas de vestuário, combustíveis, exames médicos, planos de saúde, alimentos.

Você precisa ser bem seletivo nessa zona do campo. Existem negócios mais próximos da defesa e outros do ataque. O ideal é analisar caso a caso.

Ações do Ataque

ações do ataqueA missão aqui é fazer gol.

Ou seja, consideramos nessa zona do campo negócios com um potencial muito alto de crescimento, imersas em tecnologia, e que possuem uma escalabilidade muito alta.

De fato, esses negócios possuem uma necessidade muito baixa de capital e podem utilizar o excedente da geração de caixa para comprar outras empresas ou mesmo distribuir para os seus acionistas.

E ainda por cima, os setores em que esses players atuam ainda é subpenetrado quando comparamos com as economias desenvolvidas.

Como exemplo citamos as empresas de fidelização e Fintechs.

Controlando o risco das suas ações – Melhor o empate do que a derrotarisco das ações

Cada técnico escolhe a sua formação. Você pode preferir o 4-3-3 ou 4-4-2 ou 4-1-3-2.

Mas é importante não colocar todo time no ataque. Recomendamos não se expor com mais de 20% da sua carteira em uma única ação.

Além disso, você tem que cuidar para não deixar furos no campo, com os zagueiros só na esquerda ou na direita, ou o meio campo desprotegido.

É importante escolher vários setores para compor o seu portfólio e preencher todo o campo. Assim, recomendamos um limite de 30% em um único setor.

Conclusão

conclusão carteira de açõesFormar uma carteira de ações é muito parecido com montar um time de futebol. Quando oportunidades de negócio aparecerem algumas empresas irão ao ataque, fazer o gol e aumentar a rentabilidade da sua carteira . Mas se houver uma crise econômica e o adversário estiver pressionando, pelo menos você terá uma defesa forte para aguentar essa pressão.

Compartilhe a sua opinião
Rodrigo Wainberg

Rodrigo Wainberg

Profissional aprovado no Level III da certificação CFA, investidor em ações há 6 anos, possui registro de Analista e Consultor de Valores Mobiliários, e é Bacharel em Física pela UFRGS.