Acesso Rápido

    Capacidade ociosa, uma métrica de potencial produtivo

    Capacidade ociosa, uma métrica de potencial produtivo

    Diversos indicadores são considerados para analisar se uma empresa pode aumentar a sua produção. Dentre eles, verifica-se se há capacidade ociosa em sua produção.

    Como uma economia de um estado ou país é a soma do que é produzido nele, a capacidade ociosa também é usada por economistas para medir a atividade econômica. Em excesso, esse indicador pode mostrar uma economia em recessão.

    A capacidade ociosa é a diferença entre a capacidade instalada de uma empresa e seu efetivo volume de produção. Em outras palavras, mostra o quanto essa empresa poderia estar produzindo a mais se estivesse operando em sua capacidade total de produção.

    Para compreender melhor sua definição é preciso entender o que é capacidade instalada. Esse conceito representa o potencial máximo de produção de uma empresa com os fatores de produção que possui.

    Por fatores de produção, entendem-se os recursos necessário para a produção do bem final, como máquinas e mão de obra.

    Logo, se uma empresa utiliza ao máximo o potencial de sua mão de obra e de suas máquinas, ela está utilizando a sua capacidade instalada por completo.

    No entanto, se, por exemplo, a demanda pelo produto da empresa diminuiu e ela decidiu reduzir a produção, ela pode por os funcionários para trabalharem meio período e desligar algumas máquinas.

    Dessa forma, seus fatores de produção estarão produzindo menos do que poderiam. Logo, a empresa está trabalhando abaixo da sua capacidade instalada. Está na verdade com capacidade ociosa.

    Implicações da capacidade ociosa em uma economia

    Capacidade Ociosa

    Por mostrar redução de produção, a capacidade ociosa é um dos primeiros indicadores a sinalizarem a recessão em uma economia.

    Isso porque a primeira medida das empresas para diminuir a produção é subutilizar os fatores de produção que possui.

    Mas, se esse cenário perdurar por muito tempo a empresa pode decidir por reduzir seus fatores de produção. Por exemplo, demitindo funcionários e vendendo equipamentos. Dessa forma, a sua capacidade instalada ficará menor.

    Pelo mesmo motivo, o conceito de capacidade ociosa também é muito utilizado para medir a capacidade de recuperação de uma economia em um curto espaço de tempo.

    Isso porque caso a demanda retorne uma companhia com capacidade ociosa pode rapidamente aumentar a sua produção diminuindo sua capacidade ociosa.

    Enquanto empresas que já estão perto da sua capacidade instalada precisam investir em mais fatores de produção para ampliarem a produção. O que exigirá capital e tempo.

    Para entender melhor vejamos um exemplo.

    A empresa A possui duas máquinas que necessitam de dois funcionários para operar e produzem 10 produtos por hora. Produzindo então, 20 produtos por hora. Durante a crise uma de suas máquinas foi desligada e dois funcionários entraram em férias coletivas. Passou a produzir 10 produtos por hora.

    Sua concorrente a empresa B possuía os mesmo fatores de produção. Mas durante a crise precisou cortar custos e decidiu vender uma máquina e demitir dois funcionários. E da mesma forma, passou a produzir 10 produtos por hora.

    No entanto, quando a economia se recuperou e a demanda pelo produto voltou a empresa A cresceu mais rapidamente. Isso porque para aumentar a produção ela apenas acabou com as férias coletivas e religou as máquinas. O aumento de produção foi imediato. Enquanto a empresa B precisou comprar uma nova máquina e procurar novos funcionários.

    Portanto, saber a capacidade ociosa de uma empresa e de uma economia mostra tanto o quanto a produção caiu, como também o quanto ela pode subir rapidamente.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    2 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Oscar Costa 3 de abril de 2020

      Ótima explanação, jamais esquecerei. Parabéns.

      Responder
    • Wesley Ribeiro Dias 16 de abril de 2020

      Melhor explicado do que todo os outros artigos da web. Valeu, Tiago!

      Responder