amortização

Qualquer dívida é formada por três elementos principais: o valor emprestado, os juros incidentes e o prazo de pagamento. Porém, nem sempre toda dívida será paga da mesma forma. Para definir quanto cada parcela irá custar, por exemplo, existem diversas formas de cálculo diferentes. São os sistemas de amortização.

Por isso, todo devedor deve prestar atenção especial na forma de amortização da sua dívida – já que isso pode afetar diretamente o tamanho e a duração do débito.

O que é Amortização?

Amortização é processo de redução de uma dívida através de pagamentos periódicos e definidos com antecedência. Ou seja, ao amortizar uma dívida, o endividamento vai diminuindo progressivamente o seu valor, até que a totalidade do débito seja quitado.

Em um financiamento, por exemplo, o pagamento de cada parcela vai amortizando o seu saldo devedor. Entretanto, toda dívida possui a incidência de juros e demais encargos. Logo, para que ocorra a amortização, o valor pago em cada parcela precisa ser maior que os juros cobrados no período.

Com isso, conclui-se que o valor amortizado de um dívida após qualquer pagamento é igual ao valor da parcela menos os juros.

Sistemas de Amortização

A amortização de uma dívida pode acontecer de diversas formas. Seja em um empréstimo ou em um financiamento, o cálculo das parcelas e a sua de forma de pagamento ocorrerá, na maioria das vezes, sob um dos sistemas de amortização abaixo:

Tabela SAC

Também conhecido como Método Hamburguês, o Sistema Amortização Constante estabelece pagamentos periódicos decrescentes para amortizar a dívida.

Ou seja, as parcelas começam em um nível e vão diminuindo de valor até a última prestação. Dessa forma, a taxa de amortização sobre a dívida é constante e os juros, decrescentes;

Tabela Price

Também chamado de Sistema Francês, a Tabela Price estabelece pagamentos periódicos iguais para amortizar a dívida. Ou seja, todas as parcelas a serem pagas terão todo o mesmo valor, desde a primeira até a última. Dessa forma, a amortização sobre a dívida é crescente e os juros, constantes;

Sistema Americano

O Sistema Americano estabelece um único pagamento ao final do período do financiamento para amortizar a dívida. Ou seja, ao longo do contrato, as parcelas pagam apenas os juros sobre o saldo devedor – que se mantem o mesmo até o vencimento da dívida.

Demonstrando os sistemas de amortização de dívidas

Para entender melhor como a amortização funciona, confira como seria feito o pagamento de uma mesma dívida sobre os três principais sistemas de amortização utilizados no mercado brasileiro.

Lembrando que, para o cálculo, são utilizadas as seguintes fórmulas:

  • Amortização = Parcela – (Valor atual da dívida x taxa de juros)
  • Parcela = (Valor atual da dívida x taxa de juros) + Amortização

Vamos ao exemplo:

Um banco emprestou R$ 1.000,00 com uma taxa de juros de 5% ao mês. O prazo para o pagamento é de 3 meses, e é possível dividir a dívida em até 3 parcelas mensais.

Pagamento pela Tabela SAC

Pela tabela SAC, a amortização é constante e as parcelas decrescentes. Logo, o valor das parcelas seriam:

  • Parcela 1 = R$ 383,33
  • Parcela 2 = R$ 366,67
  • Parcela 3 = R$ 350,00

Total pago = R$ 1100,00

Pagamento pela Tabela Price

Pela Tabela Price, a amortização é crescente e as parcelas são fixas. Logo, o valor das parcelas seriam:

  • Parcela 1 = R$ 367,21
  • Parcela 2 = R$ 367,21
  • Parcela 3 = R$ 367,21

Total = R$ 1101,63

Pagamento pelo Sistema Americano

Pelo Sistema Americano, a amortização é única ao final do contrato e parcelas são compostas apenas pelos juros. Logo, o valor das parcelas seriam:

  • Parcela 1 = R$ 50,00
  • Parcela 2 = R$ 50,00
  • Parcela 3 = R$ 1050,00

Total pago = R$ 1150,00

Amortização contábil

No Brasil, o termo amortização também pode se referir a amortização contábil – cujo significado não possui relação direta com a redução de dívidas. A amortização contábil é uma conta financeira redutora, utilizada no balanço patrimonial das empresas para atualizar o valor de determinados ativos.

Por isso, não se deve confundir os dois conceitos. A amortização contábil trata da depreciação contábil (redução de valor de bens pelo uso) e da exaustão contábil (redução de valor de bens pela exploração) – e não do pagamento de dívidas.

Compartilhe a sua opinião

Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.