As ações da JBS são alvos de especulação

Muitos investidores, ao decidirem adentrar no mercado de capitais, naturalmente procuram estudar e aprender sobre os papéis mais “famosos” da bolsa de valores. Neste sentido, as ações da JBS (JBSS3) são frequentemente pesquisadas e analisadas por investidores iniciantes.

Por conta disso, as ações da JBS apresentam grande liquidez.

A JBS é uma das maiores empresas de alimentos do mundo. A companhia tem seu início ligada à construção de Brasília. A empresa fornecia carnes para os trabalhadores que construíram a cidade, e a partir daí se expandiu até tornar-se destaque no mundo em volume de produção.

O preço das ações da JBS oscila bastante. O ativo é alvo de muito especuladores, que buscam lucrar com a volatilidade do papel.

  1. A JBS
  2. Escândalo sobre as ações da JBS
  3. Endividamento da JBS
  4. Investir x Especular (ações da JBS)
  5. A estratégia Décio Bazin aplicada à JBS
  6. Conclusão sobre as ações da JBS

A JBS

A JBSA JBS é mais conhecida  pelas suas marcas de mercado, como por exemplo, a Seara e Friboi.

Fundada em 1953 por José Batista Sobrinho, a JBS iniciou suas operações a partir de uma pequena planta com capacidade de processamento de 05 cabeças de gado por dia, na cidade de Anápolis em Goiás. Portanto, era uma companhia bastante pequena.

Após décadas de crescimento e investimentos, além da abertura de capital em 2007, hoje a JBS é o maior produtor de proteínas do mundo e a segunda maior empresa de alimentos do planeta, sendo uma companhia globalizada, que exporta para todo o mundo.

Contando com mais de 400 unidades, com cerca de 230 destinadas à produção de carnes e produtos de maior valor agregado e conveniência, hoje a empresa está presente em cinco continentes, com plataformas de produção e escritórios em países como Brasil, EUA, Austrália, Canadá, Argentina, Uruguai, Paraguai, México, Itália, Rússia, França, dentre outros e conta com mais de 235 mil colaboradores e uma grande capacidade produtiva, que permite a empresa processar diariamente mais de 80 mil bovinos, 14 milhões de aves, 115 mil suínos e 100 mil peças de couro.

Expansão da empresa

Nos últimos anos a empresa teve uma grande expansão, deixando de ser uma companhia nacional para uma empresa mundial de alimentos.

Como consequência desta expansão, a empresa possui uma receita extremamente expressiva, devido a imensa escala da companhia.

O faturamento da JBS cresceu mais de 40x entre 2006 e 2016. Portanto, foi um crescimento notável.

Obviamente, a empresa contou com uma grande ajuda do BNDES para tal. E depois foram reveladas irregularidades neste processo.

Este crescimento da empresa foi, inclusive, importante para ela ganhar escala, e diluir os seus custos.

A companhia atua em um setor que, historicamente, possui margens de lucratividade bastante comprimida.

Como é de praxe, empresas com margens de lucro curtas, se voltam à escala como forma de serem muito lucrativas.

Este é o racional bastante intuitivo, imagine que você possua uma empresa com margem líquida de 10%. Para você ter um lucro de R$100,00, basta você ter um faturamento de R$1.000,00. Pois, 10% de R$1.000,00 é igual a R$100,00.

Já se sua empresa tiver uma margem líquida de apenas 1%, para ter o mesmo lucro de R$100,00 ela terá de ter um faturamento de R$10.000,00.

Ou seja, quanto menor a margem, é necessário um maior faturamento para ter o mesmo patamar de lucro.
O ativo JBSS3 atua com uma margem líquida bastante reduzida, inferior a 3% na maioria dos anos.

Este patamar pode ser considerado bastante reduzido.

Mais ainda, a JBS atua em um setor de capital intensivo e que requer altos investimentos.

Como por exemplo, o investimento em fábricas. Isto faz com que a empresa possua um custo fixo muito alto. Para diluir este custo fixo e tornar-se mais lucrativa, é preciso buscar o crescimento. Portanto, a busca da companhia pela expansão é totalmente justificada.

Escândalos sobre as ações da JBS

escândalos JBSAs ações da JBS, historicamente, foram alvo de bastante especulação, conforme já mencionado.

Entretanto, mais recentemente – mais precisamente após o dia 18 de maio de 2017 – as ações da JBS ganharam bastante destaque na mídia.

Principalmente nas páginas políticas e policiais, por conta de uma gravação escondida feita pelo então presidente do grupo J&F – controladora da JBS –, Joesley Batista, que envolvia uma trama com o envolvimento do presidente Michel Temer.

Na ocasião, após a divulgação desses áudios, houve uma queda generalizada no mercado de ações como um todo. Principalmente nas ações da JBS.

Ocasionando, inclusive, um Circuit Breaker na B3 logo no dia seguinte a essa exposição comprometedora.

Tais fatos desencadearam, no decorrer do tempo, diversos processos que acabaram ocasionando a prisão de Joesley e também de seu irmão, Wesley Batista.

Eles foram condenados sob a acusação de terem recebidos benefícios financeiros provenientes do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) em troca de “favores” a políticos influentes de Brasília.

Apesar de serem ativos “da roleta”, como costuma dizer o senhor Luiz Barsi, os papéis desta companhia fabricante de proteína animal apresentam, ao longo do tempo, um patamar de resultados e criação para seus acionistas bastante satisfatórios.

Portanto, é realmente uma pena e um insulto ao mercado de capitais que as ações da JBS tenham chegado ao patamar onde se encontram por motivos criminosos e imorais por parte de seus controladores ao longo da história da companhia.

Endividamento da JBS

dívida jbs

Alavancagem da JBS – Economatica

Como vimos, A JBSS3 atua em um setor que é bastante capital intensivo. Isso significa que a empresa necessita realizar vários investimentos.

Por isto, é muito importante se atentar ao endividamento da JBS.

Dívida sempre é um fator sensível para empresas, pois pode levar as companhias a terem graves problemas financeiros.

Estes problemas financeiros acabam por prejudicar o operacional da empresa, o que em situação extrema, pode levar companhias à falência.

Obviamente, não é este o caso da JBS. Mas, assim como para qualquer outra empresa, é importante se atentar ao seu endividamento.

Como pode ser observado na imagem acima, a relação dívida líquida/EBITDA da empresa vem se reduzindo ao longo do tempo. No entanto, ainda está em um patamar bastante elevado.

Consideramos 3x como um limite adequado na maioria dos casos para este indicador, e idealmente ele deve estar abaixo de 2x.

A companhia possui um dos menores endividamentos do seu setor de atuação, porém ainda é um dívida bastante considerável.

Outro indicador adequado para se medir o endividamento de empresas é o dívida líquida/patrimônio líquido.

Consideramos, para este indicador, o limite de 100% como adequado. Ou seja, a dívida líquida deve ser igual a, no máximo, 100% do patrimônio líquido da empresa.

Como é possível observar na imagem abaixo, já há algum tempo as ações da JBS se encontram com este patamar acima do limite adequado. Portanto, o investidor deve estar atento à dívida da JBS ao considerar tornar-se sócio da empresa.

endividamento jbs

Endividamento JBS – Economatica

Investir x especular (Ações da JBS)

especular ações da JBSGrande parte dessa grande circulação desses ativos na bolsa está no fato de que, historicamente, as ações da JBS são alvos de especuladores.

Especuladores são pessoas que têm como objetivo primordial em suas aplicações o lucro em curtos espaços de tempo.

Existem várias formas de especular no mercado, como através do Day Trade, Swing Trade, ou derivativos.

A especulação apresenta, como uma das principais características, o alto risco no seu manuseio.

Assim como, também, o alto índice de insucesso dos investidores iniciantes nestas atividades.

Estes investidores muitas vezes, por acharem que o mercado de capitais se resume a trades de curto prazo, acabam por perpetuar, após infelizmente obterem perdas consideráveis nessas operações, que esse ambiente é, necessariamente, um covil de ladrões.

Ou, ainda, que a bolsa de valores é um cassino.

Sabemos que existem muitas entidades no mercado financeiro que contribuem para esta visão.

Estas entidades possuem como missão a divulgação e persuasão de pessoas leigas no assunto, por meio de promessas de ganhos astronômicos no curto prazo.

Os investidores mais iniciantes, por desconhecimento, pode se deixar levar por estas promessas.

Para o investidor mais maduro, entretanto, é fácil compreender que atitudes como essas não passam de grandes mentiras.

Na realidade, a única maneira de se obter altos lucros no curto prazo, no mercado de capitais, é vendendo a ideia de lucros no curto prazo.

Se ater apenas à especulação é ao analisar a bolsa de valores é, na realidade, é um insulto a esse mecanismo tão fascinante e que foi responsável por proporcionar, historicamente, o desenvolvimento e a inovação da humanidade, a qual nos permitiu ocupar a posição de evolução a qual nos encontramos hoje.

O investimento Além da Especulação

Pense nas grandes empresas mundiais, e nos serviços que você utilizou para chegar a este site.

Talvez você tenha achado este artigo através do Google ou do Facebook. Ou talvez esteja acessando este site por um aparelho da Apple, ou por um software feito pela Microsoft.

O que estas empresas citadas possuem em comum?

São todas companhias listadas em bolsa!

E são todas companhias responsáveis pelo progresso da humanidade.

Se não houvesse o mercado de capitais, certamente estas companhias não existiram da forma que existem hoje.

O mercado financeiro é responsável por trazer ideias inovadoras à vida. E, em compensação, os acionistas de longo prazo destas empresas tem tido retornos fenomenais.

Todos que compraram ações destas empresas, e as mantiveram durante um longo tempo, fizeram um ótimo negócio.

Já não se pode dizer o mesmo dos que especularam com estes papéis, ou quaisquer que sejam as ações.

Benjamin Graham é um dos maiores investidores de todos os tempos.

Ele foi o mentor de Warren Buffett, este sem dúvida o maior de todos os tempos, e ainda escreveu um dos livros mais importantes da história sobre investimentos, O Investidor Inteligente.

Graham possui uma definição bastante precisa sobre o que é uma operação de investimento. Diferenciando, diretamente, este tipo de operação da especulação.

Aspas para ele: “Uma operação de investimento é aquela que, após análise minuciosa, promete a segurança do principal e um retorno adequado. Operações que não atendam estes requisitos são especulativas”.

Graham recomenda que o investidor foque os seus recursos em operações de investimento, e não especulativas.

Luiz Barsi sobre a Especulação

Outro grande investidor que possui uma concepção interessante sobre a questão de especulação versus investimento é Luiz Barsi.

Barsi é um dos maiores investidores pessoas físicas do Brasil, e fez seu nome sendo um investidor de longo prazo.

Em carta à Suno, Barsi deu sua opinião sobre o mito propagado de que a bolsa é um cassino:
“O mercado acionário é um cassino? Sim, se você não estiver preparado.

Diversas instituições incentivam comportamento que são compatíveis com práticas de cassinos.

De corretoras que incentivam o giro da carteira (pois faturam corretagem) a consultorias que prometem lucros rápidos.

Se o investidor adota essas práticas provavelmente irá perder dinheiro e falará aos amigos que a bolsa é um cassino.

O boca a boca perpetua o mito que a bolsa é um cassino.

Bolsa não é cassino.

Mas você precisa ter conhecimento e preparo para não cometer erros básicos.

Alguns desses erros são, inclusive, incentivados por instituições que deveriam defender o investidor.

Um dia um rapaz que era médico me perguntou: “Como eu faço para investir?”

Eu respondi “Você consegue me passar em 15 minutos todo o conhecimento que você adquiriu ao longo da sua carreira de médico?”

Ele respondeu que não seria possível.

O mesmo se aplica a investir em ações.

Não é possível em apenas 15 minutos aprender em conhecimento necessário para ser bem sucedido ao investir em ações.”

Pode-se dizer, que o ativo JBSS3, é um dos alvos preferidos dos especuladores de curto prazo.

A estratégia Décio Bazin aplicada à JBS

MÉTODO BAZIN JBS

Bazin versus Ibovespa

Talvez você não conheça Décio Bazin.

Bazin é autor do único livro sobre investimentos recomendados por Luiz Barsi. Este livro é também extremamente recomendado pela Suno.

O método Bazin, como pode ser visto pelo infográfico acima, supera de longe o índice de mercado da bolsa brasileira.

Mas no que consiste o método Bazin?

É um dos métodos mais simples para se investir na bolsa, e consiste basicamente em 3 pontos:

  1. Empresas que estivessem apresentando naquele momento um dividend yield maior ou igual a 6%;
  2. Empresas que não apresentem endividamento excessivo ou quaisquer outros dados suspeitos;
  3. Se houverem notícias negativas a respeito dessas empresas que pudessem afetar diretamente em seus resultados, desfazer-se imediatamente dos papéis da mesma;

Neste podcast, explicamos mais sobre como funciona o método Bazin.

 

Analisando as ações da JBS pelo método Bazin, vemos que ela não passa por nenhum dos critérios estabelecidos.

Obviamente, estes critérios não precisam ser levados ao pé da letra, até porque o livro foi escrito em outra época.

A qual, inclusive, era mais comum empresas possuírem um dividend yield acima de 6%.
No entanto, por conta do preço das ações da JBS, e pelo baixo dividendo da empresa, as ações raramente chegaram próximas a este patamar.

Ainda, a companhia apresenta um endividamento elevado.

Com uma relação dívida líquida/EBITDA de 3x. Além do endividamento líquido ser superior ao patrimônio líquido da empresa.

Para finalizar, a companhia se vê afetada bastante pelo noticiário negativo. Isto devido ao envolvimento de seus controladores em casos de corrupção, amplamente divulgados pela mídia.

Portanto, a empresa não passa em nenhum dos critérios estabelecidos por Décio Bazin, o que não é um bom sinal para o investidor.

Conclusão sobre as ações da JBS

conclusão JBSComo vimos ao longo do artigo, as ações da JBS são fruto de muito atividade especulativa.

A especulação não é o método mais recomendado para se obter sucesso investindo em ações.

Como é preconizado por grandes nomes dos investimentos, como por exemplo, Graham, Barsi, e Buffett.

Embora a empresa tenha tido muito sucesso em expandir suas operações, ela apresenta algumas dificuldades, como por exemplo, o alto endividamento.

Entre os problemas, estão a dependência do estado para implementação de expansão, baixas margens de lucratividade, endividamento elevado, baixo patamar histórico de dividendos, atividades de cunho ilícito praticadas pelos sócios.

Portanto, é crucial que o investidor atente-se para estes fatores ao analisar as ações da JBS. Assine a Suno e veja nossas recomendações de empresas rentáveis e adequadas para o investidor de longo prazo.

Compartilhe a sua opinião

Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.