Acesso Rápido

    A carta anual de Warren Buffett

    A carta anual de Warren Buffett

    Todos os anos, Warren Buffett escreve sua carta anual aos acionistas da Berkshire Hathaway.

    Ainda que você não seja acionista da empresa, vale a pena ler o que o papa do Value Investing está pensando. Sempre aprendo quando leio as palavras do Oráculo de Omaha.

    E a carta deste ano foi um pouco mais curta em termos de palavras que as dos anos anteriores.

    Vi até um estudo que foi a carta com menor número de palavras em 30 anos.

    Isso não significa que esta carta seja de menor importância.

    Antes de tudo, a Berkshire segue mais sólida que nunca, com forte fluxo de caixa positivo e $112 bilhões em reservas.

    Por outro lado, Buffett confessa que tem tido dificuldades de alocar capital na velocidade que gostaria, ou seja, fazendo uma grande aquisição.

    A última grande aquisição da Berkshire Hathaway foi em 2016, quando comprou a Precision Castparts por $37,2 bilhões.

    Desde então Buffett tem buscado fazer uma grande aquisição, mas sem sucesso. Buffett é muito rigoroso em seu processo de precificar ativos, e somente gostaria de comprar um ativo num preço interessante.

    Na carta deste ano, ele cita que “os preços dos ativos estão nas alturas para negócios com um prospecto de longo prazo decente”.

    E para mim esta é a grande lição da carta deste ano: se não existe bons negócios a bons preços, o melhor a fazer é esperar.

    E quando a hora chegar, Warren Buffett vai ser o único com $112 bilhões em liquidez imediata para adquirir negócios grandes.

    Além disso, Buffett falou que é natural que a Berkshire Hathaway seja uma compradora de suas ações, de maneira cada vez mais intensa.

    Eu gosto desta alocação de capital. Além dos benefícios fiscais para o acionista em relação aos dividendos, estas ações podem inclusive ser utilizadas como moeda de troca em futuras aquisições, algo que o Buffett já fez no passado.

    Tenho um artigo sobre recompras de ações se quiser aprender mais.

    Outro ponto que merece ser destacado é a filosofia de manter uma fortaleza financeira em seu caixa:

    “Berkshire será sempre uma fortaleza financeira. Ao gerir, vamos fazer uma série de equívocos de comissão e vários de omissão, alguns que deveriam ser óbvios para mim. Em alguns momentos, nossa ação irá cair quando investidores fugirem de renda variável. Porém, eu nunca serei pego sem caixa em nosso balanço. ”

    Eu busco empresas com gestores com esta mentalidade.

    Se você se interessa por value Investing, a estratégia de investimentos de Warren Buffett, eu te convido para baixar nosso curso gratuito de Valuation e precificação de ativos, clique aqui.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *