Acesso Rápido

    2 Mitos Sobre o Value Investing

    2 Mitos Sobre o Value Investing

    Hoje se encerram as inscrições para o nosso curso de Value Investing.

    Se você quer se aprofundar a respeito da estratégia que guiou a carreira empresarial de Warren Buffett, eu te convido para participar deste curso que terá estudo ao vivo de quatro cases de investimento que respeitam a filosofia do value investing: Google, Itaúsa, Unipar e Eztec.

    Falamos bastante de investimento em valor nos últimos dias, e é natural que algumas dúvidas surjam, sobretudo a respeito de uma temática tão jovem na pauta dos investidores do Brasil.

    Pensando nisso eu pretendo tirar algumas nuvens que pairam sobre o Value Investing, e também pretendo descontruir dois mitos que existem com relação ao investimento em valor.

    Minha intenção não é convencer sobre o Value Investing, mas apenas tirar algumas dúvidas que possam surgir a respeito deste tema.

    Vamos aos mitos:

    MITO 1: VALUE INVESTING É UMA CIÊNCIA 

    Primeiramente, Value Investing não é uma ciência.

    Obviamente que existem números envolvidos em um processo de análise, mas isso não significa que analisando os números todo mundo vai chegar na mesma conclusão.

    É natural que investidores diferentes cheguem a conclusões diferentes. E as vezes a divergência se dá entre investidores experientes.

    Eu costumo citar o caso da Apple no início de 2016. Dois dos mais bem-sucedidos investidores da história se viram cada um de um lado da mesa: Warren Buffett estava comprando e Carl Icahn estava vendendo suas ações da Apple.

    Carl Icahn acreditava que a Apple iria enfrentar dificuldades crescentes para vender os seus produtos na China, um importante mercado. Enquanto isso, Buffett via na Apple uma “extraordinária franquia de consumo”.

    Este exemplo é emblemático pois coloca frente a frente dois dos maiores investidores do planeta em uma empresa que é amplamente coberta pelo mercado e pela mídia.

    Portanto, existe muito trabalho para se chegar nas premissas certas e, às vezes, mesmo depois de muito trabalho investidores experientes podem chegar a conclusões opostas.

    Investir não é fácil.

    MITO 2: INVESTIDORES EM VALOR NÃO INVESTEM EM TECNOLOGIA 

    Durante muito tempo, se dizia que o investidor de valor não deveria investir em tecnologia.

    Esta narrativa foi difundida pelo próprio Warren, que não investia em empresas do segmento.

    Porém o mundo mudou. Todas as empresas são empresas que precisam abraçar a tecnologia.

    Vou dar um exemplo.

    Talvez você já tenha ouvido falar da churrascia Nusr-Et, criada por um chefe turco apelidado de Salt Bae.

    Este chefe viralizou nas redes sociais fazendo um preparo de carnes de jeito bastante espalhafatoso.

    Corta carnes no ar, tira fotos com celebridades em seu restaurante e fez fama com um jeito próprio de colocar sal na carne.

    Ele é o chefe mais seguido nas redes sociais em escala global.

    Seu sucesso na internet está se traduzindo em sucesso nos negócios. Ele iniciou com apenas uma unidade na capital turca e hoje já possui unidades em Dubai, Miami e Nova Iorque.

    Todo este sucesso empresarial começou por seu sucesso em dominar a tecnologia das redes sociais, algo que as outras churrascarias ficaram para trás.

    Quem diria: uma churrascaria virou um negócio de tecnologia. A tecnologia permite que um individuo da Turquia domine o mercado de churrascaria e vá rivalizar com empresas organizadas em pleno solo americano, berço das churrascarias.

    Tudo virou um negócio de tecnologia. E as empresas que não abraçarem a tecnologia vão ficar para trás.

    O Warren Buffett percebeu isso, e está cada vez mais aberto a investir em tecnologias.

    Aliás, ele já é o maior investidor do planeta em tecnologia. Se somarmos a posição que ele detém em Apple e IBM chegamos a conclusão que é difícil rivalizar com ele pelo título de maior investidor do planeta em tecnologia.

    Obviamente, Buffett viu nessas empresas algo que as caracterizasse como bons negócios.

    Desta forma, podemos ver que o Value Investing não é uma ciência e como também os principais investidores que seguem esta abordagem de investimento evoluíram ao longo do tempo.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *