Dividendos sem dívida SML3 GRND3

A procura por ações de empresas com baixo risco e que possam trazer um retorno elevado no longo prazo fez com que a estratégia de dividendos desempenhasse um papel fundamental na constituição da carteira de importantes investidores como Luiz Barsi  e Décio Bazin.

Empresas que pagam dividendos ao longo do tempo de forma constante e sustentável tendem a demonstrar solidez e saúde financeira, além disso a possibilidade de reinvestir os dividendos torna essas empresas ainda mais atrativas.

No entanto, observar apenas a distribuição de dividendos por parte das empresas pode ser arriscado e não é recomendado, uma vez que muitas empresas distribuem proventos além de sua capacidade de pagá-los.

Ou seja, o pagamento de dividendos nem sempre é sinal de saúde financeira.

Justamente por isso, no livro “The Little Book of Big Dividends: A Safe Formula for Guaranteed Returns”  o autor, Charles Carlson, descreve a sua filosofia de investimentos, que sugere que devemos buscar ações de empresas que têm capacidade para se manter pagando os dividendos e que possuam potencial de retorno.

Uma análise complementar para saber se uma empresa pagadora de dividendos tem a capacidade de continuar distribuindo é a análise dos indicadores de endividamento da empresa.

Uma empresa com endividamento elevado dificilmente conseguirá manter um patamar de dividendos elevado durante muito tempo.

Existem duas métricas para medir o endividamento:

Dívida Líquida/Patrimônio Líquido, onde a “regra de bolso” é de que esse indicador deve ser inferior a 100% e preferencialmente a 50%.

Dívida Líquida/EBITDA, a “regra de bolso” é de que deve ser menor que 3 vezes, de preferência menor que 2 vezes.

Ademais, existem empresas que não possuem dívida, portanto a análise do endividamento é desnecessária, basta ver que o caixa dessas empresas é muito elevado de forma que o cálculo do endividamento teria um resultado negativo, já que sua dívida líquida seria negativa.

A partir disso, conclui-se que empresas que pagam dividendos historicamente e que tem endividamento baixo, ou não possuem dívidas são bem atrativas para constituir uma carteira sólida e que gere dividendos.

Nós selecionamos duas empresas que se encaixam nesse perfil para comentar:

Smiles (SMLE3)

Smiles SMLE3

A Smiles é uma empresa de programas de multifidelização e de milhagens aéreas, fundada no ano de 1994, como programa de relacionamento da Varig, posteriormente adquirida pela Gol.

Desde então passou por várias mudanças até se tornar em 2013 uma empresa independente, Smiles S.A., quando captou um total de R$1,1 bilhão com a sua oferta pública inicial (IPO).

O Dividend Yield que a empresa negocia atualmente é de 6,9%, que consideramos ser razoável e, como citamos anteriormente, ela possui disponibilidades líquidas de R$121 milhões.

Outros fatores que chamam atenção em relação a Smiles é que ela vem aumentando o pagamento de dividendos anualmente, o que retrata um potencial de dividendos ainda mais elevados no futuro.

Assim como o fato de que mesmo possuindo um Payout Ratio elevado a empresa consegue crescer, o que se percebe ao observar o ROE da empresa que atualmente é muito alto, de 130,3%, e também vem crescendo anualmente.

Grendene (GRND3)

Grendene GRND3

A Grendene é uma empresa fabricante de calçados, fundada no ano de 1971 e detentora de marcas conhecidas como Melissa, Rider e Ipanema, que realizou a sua abertura de capital em 2004.

Atualmente, a empresa negocia com um Yield interessante de 4,7%, valor que vem crescendo nos últimos 3 anos.

No segundo trimestre de 2017, o caixa líquido da Grendene totalizou R$1,7 bilhão, apresentando inclusive uma variação positiva de 13,5% em relação ao 4T16, o que é um número considerável.

A Grendene também apresenta um aumento no seu ROE ao longo dos anos, com um valor atualmente de 22,3%, que é um ROE que passa pela nossa “regra de bolso” que diz que o ROE deve ser superior a 10% e de preferência superior a 15%.

Conclusão

Existem empresas que se encaixam nesse perfil de pagadoras de dividendos e sem dívidas, ou seja, cujo pagamento de dividendos tem alto potencial de ser honrado e inclusive aumentar ao longo dos anos.

Os exemplos que citamos acima, da Smiles e da Grendene, servem para demonstrar o perfil dessas companhias e como realizar uma breve análise para a escolha dos papéis.

Sabemos que muitos não tem o tempo necessário para realizar a análise das empresas, tampouco o conhecimento das ferramentas  gratuitas que auxiliam o processo.

Tendo isso em vista, oferecemos aos nossos clientes relatórios de dividendos  para facilitar esse processo de composição de uma carteira pagadora de dividendos.

Comentários

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

©2018 SUNO RESEARCH | Investimentos inteligentes

Share This

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account